O Congresso Nacional realizou sessão solene, nesta terça-feira (8), em comemoração aos 100 anos do Dia das Mães no Brasil, em uma iniciativa da senadora Ana Amélia (PP-RS) com do deputado Vitor Lippi (PSDB-SP). O senador Wellington Fagundes (PR-MT), líder do Bloco Moderador, fez questão de destacar, durante pronunciamento, o papel das mães na construção de políticas públicas que combatem a violência contra jovens e adultos. Segundo ele, essa participação acontece mesmo após uma “tripla jornada de trabalho”.

Para o senador, sem o apoio ativo das famílias – o que, em inúmeros casos, significa tão-somente as mães –, as escolas, os conselhos tutelares, o Ministério Público, as delegacias de crianças e adolescentes, a Justiça e as Organizações Não-Governamentais perdem um elo essencial para a operação de todo o sistema. “Sem a participação da comunidade, sem a família, sem as mães, essas políticas públicas estão fadadas ao fracasso” – ele frisou.

 

“É graças ao amor das mães, aos cuidados e às preocupações que as gerações se perpetuam. As mães são portadoras da vida e guardiãs do futuro das civilizações” – disse o republicano.

Wellington ressaltou que em culturas como a do Brasil, que segundo ele são “fortemente marcadas pela herança patriarcal”, as mães assumem um ônus desproporcional no tocante ao cuidado do lar e dos filhos. Enfatizou dados da Fundação IBGE, que documenta o crescente número de domicílios mantidos unicamente por mulheres, que quase sempre também são mães ou avós.

Ele destacou ainda que as mães brasileiras sofrem com a falta de creches e de uma educação infantil acessível; com escalada da insegurança e da criminalidade, a disseminação de drogas de todo tipo, a epidemia de depressão e até de suicídios infanto-juvenis.

A exemplo do senador Wellington, a senadora Ana Amélia ressaltou que mães ocupam cargos relevantes em órgãos de peso, como o Superior Tribunal de Justiça, o Supremo Tribunal Federal e a Procuradoria Geral da República. No entanto, ainda existem obstáculos ao protagonismo feminino na política, pois a carreira não é uma atividade planejada.

Na sessão especial do Congresso Nacional, a Associação Cristã de Moços (ACM) foi homenageada com uma placa, em razão de ter implantado há 100 anos o Dia das Mães no Brasil. A primeira celebração ocorreu em 12 de maio de 1918, em Porto Alegre. Aos poucos, a festividade passou a ser divulgada e se consolidou em 1932, quando o então presidente Getúlio Vargas oficializou a data no segundo domingo de maio.

 

Projetos de Educação – O deputado João Henrique Caldas (PSB-AL) – que presidiu a sessão – e os senadores presentes ressaltaram a importância dos projetos em pauta no Congresso que garantem proteção, equidade e apoio às mães brasileiras. Um deles, inclusive, está na pauta do Plenário do Senado desta terça-feira. É o PLS 64/2018, da senadora Simone Tebet (PMDB/MS), que permite a progressão de regime penal a partir do cumprimento de 1/8 do que foi estipulado, transformando uma decisão do Supremo Tribunal Federal — relativa às mães e gestantes em prisão provisória — em norma legal.