O senador Wellington Fagundes (PR-MT) prestou homenagem, nesta segunda-feira (13.03), ao poeta mato-grossense Manoel de Barros, durante sessão solene do Senado Federal.

Falecido em novembro de 2014, Manoel de Barros foi considerado o maior poeta da literatura brasileira. “E quem assim o definiu foi ninguém menos que Carlos Drummond de Andrade”, diz o senador.

Detentor de extensa obras e vários prêmios, Manoel de Barros passou a maior parte de sua vida no pantanal, de onde extraiu vários de seus personagens e percepções registradas em seus livros.

O mundo só começaria a conhecê-lo quando Millôr Fernandes, nos anos 80, começou a mostrar em suas colunas a poesia de Manoel de Barros.

Passou a vida gostando do anonimato e, apesar disso, hoje o poeta é reconhecido nacional e internacionalmente como um dos mais originais do século e mais importantes do Brasil.

Embora tenha sido por várias vezes o poeta que mais vendeu livros no Brasil, Manoel chegou a comentar que gostaria de também ter sido mais avaliado pelos grandes críticos literários do país.

Nos últimos anos de sua vida, buscou ainda mais o isolamento, principalmente após perder seu segundo filho em conseqüência de um Acidente Vascular Cerebral. Foi se apagando como uma velinha, como diria sua filha Martha.

“Deixou como legado a sua dedicação aos versos, sua simplicidade e capacidade de ver o mundo pela lente da beleza”, disse o senador.

A sessão foi uma homenagem ao centenário do poeta, que completaria 100 anos em dezembro de 2016.