Senhoras e Senhores,

Quero primeiramente parabenizar a Agência Nacional de Transportes Aquaviários por esta segunda edição deste importante prêmio.

A presença massiva de todos os setores do transporte aquaviário mostra a importância dessa honraria e a grandeza alcançada.

Premiar iniciativas inovadoras, artigos técnico e científicos, desempenho ambiental e padrão de atendimento ao usuário, revelam as potencialidades do setor do transporte aquaviário.

Sabemos que a economia do país passa pela logística de transporte. Quanto mais deficitária esta logística, mais comprometimento acarreta para o futuro econômico da nação. Sobretudo em uma nação rica e próspera como a nossa, formada por pessoas trabalhadoras, que produzem muito e, consequentemente, nos carregam pelo caminho da esperança.

A carência de infraestrutura, senhoras e senhoras, reduz a possibilidade de qualquer país, vir a ser competitivo em qualquer área que seja. Tenho dito por onde passo que um país sem uma logística adequada, seguramente deixa suas riquezas pelo caminho.

O resultado dessa situação, por consequência, é uma população economicamente, e lastimavelmente, muito mais dependente.

Pelas nossas potencialidades, não podemos permitir que essa situação perdure em nosso País. O Brasil tem o terceiro maior déficit entre o que precisa ser investido em infraestrutura e o que é esperado, dadas às tendências atuais, e infelizmente diminui o investimento em nossa infraestrutura.

Um país de dimensões continentais como o nosso, com grande costa e rios interiores, não pode deixar de explorar seus recursos naturais de forma eficaz para viabilizar economicamente sua nação.

O Brasil tem potencial. Nós temos muito ainda para promover o nosso desenvolvimento. Já disse muitas vezes que só o Estado Mato Grosso tem capacidade de produzir tudo o que produz o Brasil. Agora, para isso, precisamos de infraestrutura. Se hoje a produção agropecuária é a salvação do Brasil, temos que investir naquilo que está dando certo.

Destaco a necessidade de aprimorarmos nossa navegação interior, com melhoria na gestão das hidrovias, controles de tráfego, dragagens, derrocagens, sinalizações, balizamentos, dentre outros.

Lembro que o transporte de cargas, a navegação interior, no Brasil, responde por apenas 1% do volume movimentado no País. As hidrovias brasileiras movimentam anualmente, segundo dados do Ministério do Transporte, em torno de 25 milhões de toneladas. Isso é muito pouco. Esse volume corresponde a apenas 5% do que é transportado em um rio nos Estados Unidos, o Mississipi. O desperdício de todo esse potencial, podemos dizer, é reflexo da falta de planejamento, dos baixos níveis de investimentos públicos e de entraves regulatórios e institucionais.

Como Senador da República e Presidente da Frente Parlamentar de Logística de Transporte e Armazenagem, a Frenlog, sinto grande contentamento quando vemos iniciativas como esta do Prêmio ANTAQ, onde se busca reconhecer iniciativas que se destaquem por sua contribuição na melhoria da prestação de serviços de transportes aquaviários à sociedade, fomentar a pesquisa e a produção acadêmica e disseminar as boas práticas na operação e gestão do setor.

O “Brasil brasileiro”, da Aquarela do Ary Barroso, precisa de mais iniciativas como esta.

Sou um entusiasta do desenvolvimento do modal aquaviário. Por isso, não poderia jamais  deixar de estar presente neste evento, hipotecando todo o meu apoio a esta agência.

Parabéns aos premiados e continuem com iniciativas inovadoras, pesquisas científicas e na busca de melhorias de desempenho ambiental e padrão de atendimento aos usuários.

Um ótimo evento a todos!