Série de audiências busca instruir empresas e órgãos públicos sobre a duplicação do trecho entre Sinop (MT) e Miritituba (PA)

Debater a concessão de obras públicas em infraestrutura de transportes é fazer com que o país receba investimentos para criar oportunidades, crescer e se desenvolver. Com esse objetivo, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) iniciou nesta segunda-feira (18), em Brasília, uma série de debates para instruir empresas e órgãos públicos, e colher informações sobre as futuras concessões na BR 163/364, no trecho que liga Sinop – norte mato-grossense – a Miritituba, no Pará.

As próximas audiências serão em Itaituba (PA), no dia 21 de janeiro, e em Sinop, no auditório da Câmara de Dirigentes Logistas, no próximo dia 26. O senador Wellington Fagundes, presidente da Frente Parlamentar de Logística de Transportes e Armazenagem (Frenlog), que cumpre agenda legislativa no Chile, destacou o potencial produtivo de Mato Grosso e afirmou que os eventos são importantes para a coleta de informações fundamentais para que as duplicações e obras de sinalização e reforma sejam feitas respeitando a legislação ambiental vigente e principalmente a vontade e as demandas da população local.

“Mato Grosso foi um dos Estados contemplados no maior Plano de Investimento de Logística (PIL) da história do Brasil, anunciado em 2015 pelo então ministro do Planejamento, Nelson Barbosa,  em solenidade no Palácio do Planalto, com a presença da presidente Dilma Rousseff. Uma vez que todos os investimentos, públicos e privados, forem consolidados, o Brasil dará um esplêndido salto de desenvolvimento. Mato Grosso avançará muito!” – pontuou o senador.

O diretor-executivo do movimento Pró-Logística, Edeon Vaz, aproveitou a audiência para expôr as demandas dos produtores com algumas previsões para o trecho. “É o caso da necessidade de adequar a localização dos postos de pedágio de Novo Progresso e Trairão, que possuem um problema em sua composição: há um preço muito alto previsto, por conta da distância entre as praças (200 quilômetros), o que afetaria os produtores que estão no entorno dessas cidades. O ideal seria encurtar a distância entre as praças de pedágio para 100 quilômetros, e assim diminuir o peso no bolso do usuário”, explanou.

Segundo o senador Wellington Fagundes, o diálogo reflete a necessidade de não perdemos o “momento certo” para o investimento. Para ele, as respostas dadas pelo estado de Mato Grosso são imediatas e expressivas. “É só somar os fatos: Mato Grosso é o principal Estado produtor de grãos. E a safra brasileira cresceu, em 2015, 7,7%, atingindo 209,5 milhões de toneladas. Mais um recorde que demonstra todo o potencial que temos para brilharmos interna e externamente”, concluiu.

O trecho entre Sinop e Miritituba foi enquadrado no Programa de Exploração da Rodovia (PER) do Governo Federal, e representa 993 quilômetros que ligarão a região que mais produz grãos no país aos portos do arco Norte.  A empresa ou consórcio vencedor da concessão irá trabalhar pela infraestrutura e prestação de serviços por 30 anos, fazendo recuperação, conservação, manutenção, operação, implantação de melhorias, pavimentação, ampliação de capacidade e manutenção do nível de serviço.

Está prevista, pelo mecanismo do gatilho de tráfego, a duplicação de 246,8 quilômetros da rodovia e a implantação de marginais e melhorias em 10 travessias urbanas. A execução dos trabalhos iniciais, a conclusão da pavimentação (118,6 quilômetros) e a construção de quatro pontes nos primeiros dois anos da concessão são condições para o início da cobrança de pedágio.
SERVIÇO

Evento: Sessão presencial da Audiência Pública nº 014/2015

Data: 21/1/2016

Horário: das 9h às 13h

Local: Auditório da Faculdade de Itaituba

Avenida Governador Fernando Guilhon, 895 – Jardim das Araras

Itaituba (PA)

Evento: Sessão presencial da Audiência Pública nº 014/2015

Data: 26/1/2016

Horário: das 9h às 13h

Local: Auditório da CDL Sinop

Rua das Amendoeiras, 63 – Centro

Sinop (MT)

Da Assessoria