Mais um passo foi dado para a implantação do campus da Universidade Federal de Mato Grosso em Lucas do Rio Verde, região Norte do Estado.  A notícia foi dada pelo senador Wellington Fagundes (PR-MT), após audiência com a reitora professora Myrian Serra, o prefeito Luiz Binoti, e a secretária de Educação do Município,  Cleusa de Marco. A previsão é de que a unidade federal de ensino superior de Lucas comece com três ou quatro cursos.

A área para construção da universidade em Lucas já foi definida e, segundo informou o prefeito, o projeto entra na fase da elaboração das medidas para a instalação do campus. “Estamos concluindo o passo a passo dos trâmites burocráticos necessários para levar à UFMT ao município” – disse. Os cursos a serem implantados inicialmente  serão definidos de acordo com as necessidades e demandas da população do Norte do Estado.

O senador Wellington pontuou, durante o encontro, que a expansão do ensino superior se faz necessário, principalmente após a emancipação do campus de Rondonópolis. “Tenho certeza que o campus de Lucas começará forte e estruturado, o que será ótimo para todos os mato-grossenses que moram no Norte do Estado e hoje dispõe apenas do campus de Sinop para atender a região” – disse.  

Fagundes fez questão de destacar que o trabalho para implantação desse novo campus da UFMT tem sido feito por toda a bancada federal de Mato Grosso. Ele citou uma emenda de bancada ao Orçamento Geral da União para 2019 na ordem de R$ 15 milhões para essa finalidade.

Cleusa de Marco, secretária de Educação, comemorou mais esse passo e disse que o trabalho e empenho de todos tem ajudado a dar celeridade nos processos administrativos para a implantação do campus. “Em nome de todos os luverdenses eu agradeço o apoio de toda a bancada de Mato Grosso, em especial do Senador Wellington, que esteve presente em todas as etapas até hoje. Estamos muito otimistas ao ver que o sonho de ter o campus da UFMT em nosso município está ainda mais próximo de ser realizado” – disse

Outro tema abordado na audiência foi a implantação da UFMT no município de Guarantã do Norte, no extremo Norte do Estado. Se implantado, o campus atenderá cerca de 130 mil habitantes, de 14 municípios. O ex-prefeito de Guarantã, Lutero Siqueira, também participou da reunião e explicou que a reivindicação da comunidade é antiga. Segundo ele, a reitora deve fazer uma visita ao município para começar as tratativas.

Várzea Grande – A reitora Miriam Serra anunciou ainda a retomada das obras do campus de Várzea Grande da UFMT, após o MEC liberar recursos para a conclusão. Um um primeiro momento essa unidade abrigará os cursos de Engenharia Química, Engenharia de Transporte, Engenharia de Minas, Engenharia de Computação e Engenharia de Automação e Controle. Além de contar com 44 salas de aula, 24 laboratórios, restaurante universitário, biblioteca e 4 auditórios que, juntos, atenderão a 3.320 estudantes por turno.

Da assessoria